Um Estudo dos Ensinamentos Históricos Sobre a Mãe Celestial | Intérprete Nefita
Logo

Um Estudo dos Ensinamentos Históricos Sobre a Mãe Celestial

Um Estudo dos Ensinamentos Históricos Sobre a Mãe Celestial

Imagem utilizada com permissão de Annie Henrie - (www.anniehenrie.com)
_____________________________________________________________________________
Para ouvir a versão em áudio deste artigo, clique aqui
_____________________________________________________________________________

Um dos elementos fundamentais e provavelmente únicos da doutrina d'A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o conceito de família como um modelo projetado para a eternidade e não apenas como uma instituição temporal.

Aprendemos através do Evangelho Restaurado de Cristo que nossa fidelidade e convênios realizados nessa vida possuem o poder de eternizar a unidade familiar, permitindo-nos desfrutar das bençãos Celestiais do progresso eterno com aqueles que mais amamos.
O entendimento Mórmon para o modelo familiar eterno nos ensina que independente de cor, raça ou classe social, todos da família humana são filhos e filhas de um Pai Celestial que os ama, mas vai além ao declarar que possuímos não apenas um Pai, mas também uma Mãe Celestial.

Uma das referências mais antigas e conhecidas sobre nossa Mãe Celestial provém de um hino escrito por Eliza R. Snow em 1845, quando servia como Presidente Geral das Sociedade de Socorro, que inspiradamente declara:

Há somente um Pai Celeste?
Não, pois temos mãe também
Essa verdade tão sublime
Nós recebemos do além!
Quando deixar a humana vida
Este frágil corpo mortal,
Pai e mãe verei contente
Na mansão celestial


(Hino SUD, Ó Meu Pai)

Este talvez seja um dos temas mencionados por Joseph Smith o qual o Senhor ainda "revelará muitas coisas grandiosas e importantes relativas ao Reino de Deus" (Regras de Fé 1:9). Ainda assim, uma análise cuidadosa sobre tudo o que já foi declarado (e não declarado) por líderes da Igreja nesses quase 170 anos revelam detalhes essenciais sobre a dinâmica do Plano de Salvação e natureza de nosso Pai e Mãe Celestial.

O que já foi declarado por líderes da Igreja sobre o assunto?

Em 1909 a Primeira Presidência da Igreja declarou:

"Todos os homens e mulheres foram criados à semelhança do universal Pai e Mãe e são literalmente filhos e filhas da deidade."´[1]

Em 1995, esta verdade eterna foi novamente afirmada através da publicação "Proclamação ao Mundo":

"TODOS OS SERES HUMANOS—homem e mulher—foram criados à imagem de Deus. Cada indivíduo é um filho (ou filha) gerado em espírito por pais celestiais que o amam e, como tal, possui natureza e destino divinos. O sexo (masculino ou feminino) é uma característica essencial da identidade e do propósito pré-mortal, mortal e eterno de cada um."[2]

Em 1991, o Presidente Hinckley então ensinou que "o fato de não orarmos para Ela, de maneira alguma denigre ou a diminui" e explicou que por causa da instrução e exemplo de Cristo, dirigimos orações unicamente a Deus, o Pai. (Mat 6:9; 3 Néfi 18:21;27:9)

Silêncio Sagrado em Relação à Mãe Celestial?

Estamos habituados a aprender sobre Deus o Pai e seu filho Jesus Cristo em cada página de cada publicação da Igreja. Algum tempo após filiar-me à Igreja, uma pergunta que constantemente eu me fazia era: Se temos uma Mãe Celestial, por que praticamente não ouvimos nada sobre Ela? 

Tal pergunta de fato tem sido feita por membros da Igreja em todo o mundo e curiosamente a resposta mais comum é a de que devemos manter "silêncio sagrado" a respeito de nossa Mãe Celestial e que "o Senhor está protegendo seu nome das blasfêmias que a humanidade dirige aos nomes do Pai e do Filho". Já ouviu algo parecido?

A escritora Amy Irvine em sua publicação de 2008 ressalta esse conhecido argumento através da história de uma fictícia visitante do Templo que pergunta sobre os aspectos femininos da Deidade e recebe como resposta "que a Mãe Celestial é tão especial que Deus nos declarou que jamais devemos falar sobre ela—que o Senhor a tem como no topo de um pedestal e que jamais deveria ser vista ou que falassem sobre Ela, com temor de que sua pureza fosse manchada"[3]

Tais tipos de registros e citações, tem por muitas décadas moldado o entendimento da imensa maioria dos Santos dos Últimos Dias a respeito da identidade e natureza da Mãe Celestial e criado um forte impacto em nossa cultura, fortalecendo a percepção de que de fato falar sobre Ela é "inapropriado" ou "desencorajado". Curiosamente, nenhum dos adeptos de tal ponto de vista longamente perpetuado em nossa cultura parecem ser capazes de indicar a origem desse ensinamento.

Pesquisas históricas e uma análise cuidadosa a tudo o que já foi oficialmente dito por oficiais autorizados da Igreja, indicam de maneira praticamente conclusiva que a ideia de "Silêncio sagrado com relação à Mãe Celestial" é falsa, não possuindo origem em qualquer revelação a líderes da Igreja.

Compartilharei nesse artigo fatos e visões históricas que nos ajudam a compreender o papel de nossa Mãe Celestial como procriadora, mãe, pessoa divina, co-criadora de mundos, seu amor e participação no Plano de Salvação.

O Papel da Mãe Celestial Como Esposa e Mãe

O primeiro ponto importante a compreender sobre a natureza de nossa Mãe Celestial é a sua história como procriadora e mãe. O Presidente Joseph F. Smith publicou certa vez uma declaração entitulada "O Pai e o Filho" em que menciona que "nossos Pais Celestiais percorreram muitos estágios ou estados pelo qual puderam alcançar a exaltação" e juntos "propagaram a ordem mais alta de seres chamados espíritos", indicando que tal ato não pode ser feito sozinho.[4]

Aprendemos também que como filhos gerados de Pais Celestiais, possuímos características divinas em nossa própria natureza e que nossa Mãe Celestial teve um papel essencial na construção de nosso caráter pré-mortal. [5]

Susa Young Gates, filha do Presidente Brighan Young sugeriu que na formação da individualidade do patriarca Abraão, "nossa grandiosa Mãe Celestial foi a maior moldadora" e que possui um papel fundamental no curso de nossas vidas, tendo um "olhar cuidadoso" e provendo um "cuidadoso treinamento"[6]. Tal definição parece estar de acordo com a visão comum do Plano de Salvação, que nos ensina que na esfera pré-mortal, evoluímos com a ajuda de nossos Pais Celestiais, até o ponto mais alto de maturidade que tal condição poderia nos oferecer.

O Presidente Spencer W. Kimball ensinou que o Senhor "criou a mulher na imagem de sua esposa e companheira".[7] Elder B. H. Roberts por sua vez desafiou o restante do Cristianismo a oferecer uma doutrina que apresentasse o "conceito de nobreza da mulher e seu papel como mãe e esposa, colocando-a lado a lado como o Pai divino" como faz a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.[8]

Um Ser Divino

Desde a Restauração do Evangelho, nosso entendimento da dinâmica e mecanismos do Plano de Salvação tem expandido nossa visão de como as experiências da mortalidade nos preparam para a eternidade e exaltação. Aprendemos que como filhos de Pais Celestiais, temos o potencial divino de tornar-nos como Eles são, mas mais do que isso, aprendemos que eles conhecem o caminho que temos que trilhar pois em algum momento da eternidade, Eles trilharam esse caminho.

Elder Orson F. Whitney explicou que "houve um tempo em que aquele ser que agora adoramos, nosso eterno Pai e Mãe Celestial foram homem e mulher na mortalidade".[9] As experiências que Ela enfrentou durante sua mortalidade moldaram seu eterno caráter e a preparou para avançar do status de mulher à Deidade e diversos líderes da Igreja em variadas circunstâncias atribuíram a ela títulos como "Mãe Deus", "Deusa Mãe" e "Eterna Mãe". [10]

O Apóstolo James E. Talmage se referindo a nossos Pais Celestiais afirmou: "Somos literalmente filhos e filhas de Pais Divinos, a progênie espiritual de Deus, nosso eterno Pai e de nossa Deusa Mãe"[11].

Embora tais citações demonstrem de maneira evidente o importante papel de nossa Mãe Celestial e sua natureza, o Presidente George Q. Cannon certa vez advertiu os santos para que compreendessem que adoração e louvor deveria ser direcionada unicamente a Deus o Pai e seu Filho Jesus Cristo. Aparentemente, Presidente Cannon temia que os ensinamentos abrissem margem para algum tipo de adoração não revelado ou autorizado pelo Senhor.

O Presidente Rudger Clawson por sua vez discordava da ideia de que enxergar a Mãe Celestial como parte da deidade era um risco para adoração dividida. Ele declarou: "Adorar nossa Mãe Celestial não diminui em nada a adoração a nosso Eterno Pai, da mesma maneira que não diminui o amor que possuimos por nosso pai terreno, incluirmos nossa mãe terrena em nossas afeições"[12]

O entendimento do papel de nossa Mãe Celestial como Deidade aparentemente se torna complexo ao refletirmos sobre como esse princípio afeta a nossa visão da Trindade. Como o pesquisador David L. Paulsen relatou: 

"Super enfatizar a Trindade, ao passo que tiramos ênfase da Mãe Celestial levanta questões a respeito da igualdade de homens exaltados e mulheres exaltadas e a natureza e importância do casamento. Por outro lado, super enfatizar a Mãe Celestial entra em conflito com o próprio entendimento da trindade do Cristianismo tradicional, e até mesmo do Mormonismo, mas ilumina a proclamação de nossa própria Igreja de que a mais importante unidade social na eternidade é a família." 

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender sobre como a unidade famíliar se relaciona com a Trindade na eternidade e executa o Plano de Salvação, visto que o papel de procriação, mesmo após a exaltação, não pode ser executado sem a mulher. Em outras palavras, jamais poderia haver o Filho, Pai, ou até mesmo o próprio conceito de Trindade, se antes não houvesse existido uma Mãe.

Dessa forma, é compreensível o motivo pelo qual diversos líderes entendiam que o Pai não poderia ser divino por si só, pois o processo de criação de filhos espirituais, não constitui apenas na organização de matéria e inteligência, mas em um processo espiritual ainda não revelado, que necessita de uma figura feminina igualmente exaltada e divina.

Co-criadora Com o Pai

De acordo com algumas autoridades gerais, um dos importantes papeis executados por nossa Mãe Celestial aconteceu no processo de criação. A irmã Eliza R. Snow (Compositora do hino "Ó Meu Pai") na edição da publicação "The Women of Mormondom" afirmou que "a Mãe Celestial é parceira do Pai na criação de mundos".[13]

Elder Milton R. Hunter (Quórum dos Setenta) ensinou que a exaltação e vida eterna que homens e mulheres compartilharão, incluem "o poder para criar ou organizar mundos mortais".[14] Elder Jeffrey R. Holland e sua esposa Patrícia, ensinaram que nossa Mãe e Pai Celestial estão envolvidos no contínuo processo de criação de tudo o que está ao nosso redor, e que "o fazem com imenso amor e cuidado".[15]

Participação da Mãe Celestial na Execução do Plano de Salvação

Além de seu papel no processo de criação, diversos líderes da Igreja testificaram sobre o papel da Mãe Celestial na execução de outras etapas do Plano de Salvação. O Elder M. Russell Ballard ensinou que "somos partes de um plano divino arquitetado por Pais Celestiais que nos amam".[16]

O Manual dos Princípios do Evangelho de 1978 complementou:

"Nosso Pais Celestiais nos proveram um lar celestial mais glorioso e belo do que qualquer lugar na Terra. Nós éramos felizes lá. Ainda assim, Eles sabiam que não poderíamos progredir além de um certo ponto a menos que os deixássemos por um tempo. Eles desejavam que pudéssemos desenvolver as qualidades divinas que eles possuem. Para isto, precisávamos deixar o lar celestial para sermos testados e ganhar experiência."[17] 

Líderes da Igreja de diversas épocas constantemente ensinaram os princípios fundamentais do funcionamento do Plano de Salvação. Tal plano nos ensina nossa origem e natureza divina. Nos ajuda a compreender não apenas que nossa vida mortal é uma das etapas necessárias nesse processo de progresso, mas que o próprio Pai e Mãe Celestial percorreram um caminho similar, até alcançarem o poder e conhecimento sobre todas as coisas.

O Elder Milton R. Hunter explicou:

"Aonde quer que tenha existido inteligências...princípios fundamentais...tem existido. Eles constituem as leis da verdade eterna. Nosso Pai Celestial tem através de eras incontáveis...aplicado em suas vidas um número incontável destas leis eternas. Ao aprenderem como operá-las, tais leis se tornaram sujeitas à Eloim."[18]

É interessante notar que o Manual dos Príncípios do Evangelho de 1978 ainda vai além em afirmar que "Cristo foi escolhido para ser nosso Salvador quando todos nós participamos do grande conselho com nossos Pais Celestiais". Em outras palavras, Ela, eu e você estava lá. Consegue por um momento imaginar a grandiosidade de tal momento? 

Todos os anos, milhares de Pais e Mães Santos dos Últimos Dias se emocionam ao verem partir em uma missão de tempo integral aqueles mesmos filhos que anos atrás usavam fraldas, engatinhavam, choravam no primeiro dia de aula e cantavam na primária. O orgulho e emoção se misturam à dor da despedida, e o sentimento de que pela primeira vez em suas vidas, não estarão por perto para segurá-los e apoiá-los em seus desafios. Saber aonde o filho estará e quando retornará não necessariamente torna essa despedida mais fácil. Quão mais intenso orgulho provavelmente deve ter sido para nossos Pais Celestiais verem seus valentes filhos "abandonarem" o conforto do lar para os desafios terrenos? Quão intensa teria sido a dor de saber que alguns deles jamais retornariam?

Lula L. Greene Richards escreveu que nossa "Mãe Celestial sorriu ao ver seus filhos fiéis votando e apoiando a vontade do Conselho Celestial e escolhendo vir à Terra". Elder Orson F. Whitney e o Presidente Harold B. Lee ensinaram que nossa despedida de nossa Mãe e Pai Celestial foi uma ocasião de sentimentos duplos. O Presidente Lee escreveu:

"E aconteceu que um dia, nossa Mãe e Pai Celestial disseram, "Agora meu filho, minha filha, chegou a sua hora de partir. Este é o maior momento na história do mundo. Esta é a plenitude dos tempos, e por causa de sua fidelidade, recebe permissão para partir rumo a Terra". (...) Caminhamos através de uma porta aberta e a porta foi fechada atrás de nós.

Possivelmente, com lágrimas nos olhos deixamos o lar celestial e apesar das incertezas do futuro, prometemos retornar. Assim como missionários corajosos, a promessa não era de apenas completar o período designado, mas de retornar com honra e com um coração transformado. 

Envolvimento de Nossa Mãe Celestial na Mortalidade

Se o papel de nossa Mãe Celestial foi tão ativo e intenso na era e esfera pré-mortal, poderíamos concluir confiantemente que Ela estaria igualmente interessada em nos ajudar em nosso segundo estado, a vida mortal.

O Presidente Harold B. Lee ensinou:

"As vezes pensamos que todo o trabalho depende unicamente de nós, esquecendo-nos que há pessoas amadas além de nossa visão que estão pensando em nós e em nossos filhos. Nos esquecemos que temos um Pai e uma Mãe Celestial que estão ainda mais preocupados, provavelmente, do que nossos pais terrenos e aquela influência do além está constantemente trabalhando para tentar ajudar-nos, quando fazemos tudo o que podemos."[19]

Apesar de não mais estarmos na presença de nossos Pais, temos a garantia de que não fomos deixados sozinhos, caso abramos os olhos e reconheçamos humildemente suas mãos em nossa vida. Como John Widtsoe ensinou, as promessas que recebemos no Templo "nos ajudarão a compreender o quão próximos estão nossos Pais Celestiais."[20] Pecado e ignorância entretanto, nos conduzem à contra-mão de nosso destino e potencial eterno.

Compreendemos então, que nossa Mãe Celestial não apenas ajudou a arquitetar o universal Plano de Salvação, mas também focaliza seu olhar e compaixão a nosso próprio universo, dia após dia. 

Até Que Voltemos a Nos Encontrar

Aprendemos assim que o papel, natureza divina, caráter e participação de nossa Mãe Celestial no Plano de Deus tem sido um tema amplamente discutido entre membros e principalmente líderes da Igreja, tanto no período imediato pós-restauração como em dias atuais. 

Embora um profundo respeito e reverência sejam necessários ao abordar qualquer tema sagrado do Evangelho, as evidências históricas indicam claramente uma rejeição ao conceito de "Silêncio Sagrado" em relação à nossa Mãe Celestial. Tal ideia jamais foi ensinada publicamente por líderes gerais da Igreja e como demonstrado amplamente, muitas Autoridades Gerais tem se pronunciado sobre ela. De fato, tais ensinamentos exaltam o conceito e entendimento de nossa Mãe Celestial, ao invés de corrompê-los.

Reconhecemos o papel de nossa Mãe Celestial como procriadora, Mãe, pessoa Divina, co-criadora, participante no planejamento e execução do Plano de Salvação a nível geral e indivídual, na vida de cada um de seus filhos. O Pesquisador David L. Paulsen reforçou que "a consideração de tais pontos, reforça muitas inquestionáveis doutrinas importantos dos Santos dos Últimos Dias", como: A importância do corpo físico, família eterna, relacionamentos divinos, deificação da mulher, natureza eterna e valor do gênero e da linhagem compartilhada por Deuses e homens. 

Para finalizar, compartilho as palavras do Elder Glenn L. Pace (Setenta, 1993-2010), que referindo-se à eterna e divina natureza e papel da mulher no Plano de Deus, declarou:

"Irmãs, eu testifico que quando estiverem em pé, em frente a seus Pais Celestiais naquela corte real, e olharem nos olhos Dela e contemplarem Seu semblante, qualquer dúvida que já possuíram sobre o papel da mulher no Reino, irá evaporar em um momento no ar celestial, porque naquele momento vocês verão em pé a sua frente, a sua própria natureza divina e destino".[21]

Clique no link abaixo e curta a página oficial do Intérprete Nefita no Facebook:

Facebook Intérprete Nefita

Fontes:

1. “The Origin and Destiny of Man,” Improvement Era 12 (November 1909)
2. “The Family: A Proclamation to the World,” Ensign 25 (November 1995)
3. Amy Irvine, Trespass: Living at the Edge of the Promised Land (New York: North Point, 2008)
4. Joseph F. Smith, “The Father and the Son,” Improvement Era 19 (August 1916)
5. Orson F. Whitney, “Latter-day Saint Ideals and Institutions,” Improve- ment Era 30 (August 1927)
6. Susa Young Gates, “The Editor’s Department,” Young Woman’s Journal 2 (July 1891)
7. Spencer W. Kimball, The Teachings of Spencer W. Kimball, Twelfth Presi- dent of the Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, ed. Edward L. Kimball (Salt Lake City: Bookcraft, 1982)
8. B. H. Roberts, Defense of the Faith and the Saints, 2 vols. (Salt Lake City: Deseret News, 1912)
9. Orson F. Whitney, “Bishop O. F. Whitney,” Woman’s Exponent 24 (June 15, 1895)
10. For instance, see Melvin J. Ballard, “The Pre-existence of Man,” Liahona: The Elders’ Journal (June 29, 1926)
11. James E. Talmage, “The Philosophical Basis of ‘Mormonism,’” Improve- ment Era 18 (September 1915)
12. [Rudger Clawson], “Our Mother in Heaven,” Millennial Star 72 (Septem- ber 29, 1910)
13. Edward Tullidge, The Women of Mormondom (New York: Tullidge and Crandall, 1877)
14. Hunter, Will a Man Rob God? 183–84. See also Milton R. Hunter, “God’s Greatest Gift,” Brigham Young University Speeches of the Year, 1964–1965 
15. Patricia T. Holland, “Filling the Measure of Our Creation,” in Jeffrey R. Holland and Patricia T. Holland, On Earth As It Is in Heaven (Salt Lake City: Deseret Book, 1989)
16. M. Russell Ballard, When Thou Art Converted: Continuing Our Search for Happiness (Salt Lake City: Deseret Book, 2001)
17. The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, Gospel Principles (Salt Lake City: The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 1978)
18. Milton R. Hunter, The Gospel through the Ages (Salt Lake City: Stevens and Wallis, 1945)
19. Harold B. Lee, “The Influence and Responsibility of Women,” Relief Soci- ety Magazine 51 (February 1964)
20. John A. Widtsoe, “Looking toward the Temple,” Ensign 2 (January 1972)
21. Glenn L. Pace, “The Divine Nature and Destiny of Women” (devotional address, Brigham Young University, Provo, Utah, March 9, 2010)

Escrito por: Luiz Botelho em 20/11/2014




DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:Email:

Comentário:


COMENTÁRIOS

Luiz Sotero em 24/04/2017

1 - O fato de a Bíblia (um livro impresso por volta do século XVI após a perda e adulteração de muitas partes como evidenciado pela história e pelos maiores teólogos do mundo) não falar sobre uma mãe celestial. não quer dizer que não exista; 2 - Esta doutrina provém de revelação moderna e não de interpretação Bíblica; 3 - O Senhor revela a verdade desta doutrina pelo Espírito Santo. Os c´rticos terão que tentar provar que o testemunho do Espírito a este respeito é falso; 4 - Também é inteligente aceitar que existe uma mãe celestial, pois Deus não daria um mandamento - o casamento - que Ele não tenha cumprido ou que não cumpra, se não seria hipócrita; 5 - Históricamente falando, alguns registros judaicos antigos mencionam a existencia de uma mãe celestial, como a Zohar e o talmude; 6 - Se somos filhos de Deus o Pai, é obvio que deve haver uma progenitora; 7 - "Sexo Celestial" não é doutrina oficial da igreja, mas mera especulação por parte de críticos que geralmente não tem base alguma para o que fala; 8 - Muitas verdades foram reservadas para a dispensação da plenitude dos tempos; 9 - Nenhum crítico conseguiu até hoje, de forma racional e inteligente, dar se quer cheiro de evidencia contra qualquer doutrina da igreja SUD. 10 - Todas as doutrinas oficiais da "igreja mórmon" são verdadeiras e a grande maioria delas tem base Bíblica e histórica.

ADELLES AMORIM em 15/02/2016

Parabéns!! EXELENTE!!

Joice Caroline em 13/02/2016

Nossa esse artigo é incrível! Jamais tinha parado pra pensar e me perguntar se tenho uma Mãe Celestial, me afiliei a igreja á um ano e sete meses e me surpreendo cada dia mais pelas coisas que aprendo sobre a criação e todo o plano do pai celestial...

JOSE EDSON RAIMUNDO BRANCO em 03/02/2016

EXISTE UMA PORCENTAGEM RASUAVEL DE VERDADE,POREM O CRIADOR NOS CRIOU POR SIMPLES PENSSAMENTO,TCHAU VALEU.

Andre M.N. em 26/12/2015

Prezado irmão, obrigado pelos comentários esclarecedores, realmente me trouxe mais luz e conhecimento. Esta noite tive um sonho peculiar e me interessei muito pelo assunto. Por acaso conhece algum escrito antigo ou alguma tradição hebraica nos descreve algo mais sobre nossa querida e gloriosa Mae Celestial ?

Consola Garcia em 22/11/2015

Amei conhecer mais sobre o sagrado silêncio; entendí perfeitamente !!! Muito grata pela maravilhosa explicação!!!

Reginaldo Gomes de Lima em 30/09/2015

Vendo todos esses comentários, vejo que existe uma estranha cegueira, pensem..em nenhum lugar da palavra de Deus, a bíblia, jamais deixou qualquer pista sobre varias supostas mães cruzando, com Deus para gerar filhos, também reitero o absurdo de se ter um Deus que um dia foi homem igual à nós, e pior esse Deus tem um Pai, uma mãe, avô, etc . Quando essa mesma palavra diz que Deus não é homem. Também o absurdo Livro que fala de cidades poderosas que existiram nas Américas, e que NUNCA NINGUEM viu. e, por favor não coloque as civilizações maias, aztecas, etc como se fossem Nefitas., por favor, por amor à si mesmos. pensem ...o monte Curoma , esse fictício livro diz que Morreram milhares de pessoas, numa feroz batalha...e não há ali nenhuma ossada, nenhuma arma de guerra que poderias ser encontrada.deveria haver milhares de ossadas e milhares de restos de armas...pensem....nenhum arqueólogo , jamais encontrou o que se fala no Livro de mormon...Nem os da Univerdidade Bringham Young, Parece a narrativa da Terra do Nunca. É por amor à todos voces que escrevo isso, não tenho intenção de ofender ninguém...O fantasioso Livro fala de Elefantes, Leoes, Girafas, etc.Que nunca existiram nas américas,... soldados com capacetes de bronze, onde não havia bronze, Descendencia dos índios americanos como sendo hebreus, quando o dna deles mostram ser mongois....Espírito Santo do sexo masculino, que absurdo.....Deus fez sexo com Maria para Gerar Jesus Cristo, é incoerente....Jesus irmão do Demonio, ilógico...que tristeza ver que pessoas creêm dessa forma, acordem saiam desse transe coletivo...em amor Reginaldo.


Luiz Botelho

Olá Reginaldo,

Obrigado pelo contato. Você reuniu em apenas um comentário muitos pontos e críticas que inviabilizam uma resposta pelo comentário. Estou respondendo sua mensagem por email. Nenhuma das questões mencionadas são novas para nós nem representam um "cheque" a nossa teologia. Se desejar manter contato para uma conversa amigavel e respeitosa por email, fique à vontade para responder.

Abraço!

Rosilene Mauricio de Assis em 29/07/2015

eu acho porque desde a nossa infancia aprendemos sobre Deus pai e Jesus Cristo. e que devemos adorar somente Deus. mas também acho que O Pai Celestial criou o homem a sua imagem e semelhança. e a mulher deve ter a semelhança de outra mulher. mas isso é muito novo pra mim tenho que aprender muita coisa ainda!

DAVI AUGUSTO MIRANDA em 23/06/2015

Muito bem embasado seu artigo, como consegue reunir todas essas citações?


Luiz Botelho

Olá Davi,

Obrigado pelo feedback. Respondi individualmente sua mensagem por email.

Grande abraço!

Nara Regina da Costa em 19/06/2015

Eu também nunca ouvir falar sobre ela nos ensinamentos na igreja, mas sou selada no templo, quando selador nos fala sobre as benção do selamento fica tão óbviu que temos um Mãe Celestial e que eu sentia em meu coração que ela é tão sagrada em pronunciar o nome dela, se Deus jám proibe falar o seu nome quem dera o nome de nossa amada Mãe Celestial. Gostei muito dessa doutrina, adoro conhecer as verdades do evagelho...

galuco em 04/06/2015

Sou grato por saber que nossa Mãe Celestial tem um papel tão importante em nossas vida, que bela doutrina, clara e preciosa.Creio que esse ensinamento não é publicamente ensinado por causa das falsas ideias que geraria, creio que as maravilhosas mulheres tem um fundamental papel em nossa vida e um dia se dignos na eternidade irão receber grande poder para reinar e governar como deusas com seus maridos.

ELEONORA em 28/04/2015

ELIZA R. SNOW , FOI A PRIMEIRA PESSOA QUE ENSINOU A DOUTRINA QUE TEMOS UMA MÃE CELESTIAL ? PORQUE O NOME DELA É SEMPRE FALADO E ESCRITO COM O NOME DE SOLTEIRA ? IRMÃO LUIZ EU TIVE SENTIMENTOS CONTARDITORIOS , PRIMEIRO SENTI GRANDE ALEGRIA POR SABER QUE PODEMOS PENSAR E FALAR DA MÃE CELESTIAL ,ISSO DA A NÓS MULHERES UMA REFERENCIA E EXTREMA CONSCIÊNCIA DA IMPORTÂNCIA DO NOSSO PAPEL COMO MULHERES,MÃES ,ESPOSAS E NOSSO IMPORTANTE TRABALHO NA IGREJA !! AGRADEÇO IMENSAMENTE POR ESSE ARTIGO !! POR OUTRO LADO TIVE TRITEZA É DEVO CONFESSAR TIVE RAIVA ,POIS ME TIRARAM O DIREITO DE SABER DE ALGO TÃO IMPORTANTE É FUNDAMENTAL PARA MINHA COMPREENSÃO DO EVANGELHO , SEMPRE FUI ENSINADA A NÃO FALAR DA MÃE CELESTIAL E O PIOR OS LÍDERES NÃO FALAM SOBRE O ASSUNTO QUE PARA TODOS NÓS É TÃO IMPORTANTE !! IRMÃO VOCÊ ENTENDE QUE A MINHA DOR TEM FUNDAMENTO ? PORQUE OS LÍDERES APÓSTOLOS E PROFETAS NÃO FALAM MAIS SOBRE ISSO ? PRINCIPALMENTE NAS CONFERÊNCIAS ! NOSSA ISSO MUDA TUDO EM RELAÇÃO A NOSSA VISÃO DO IMPORTÂNCIA DA MULHER NO PLANO DA CRIAÇÃO E DAS PESCTIVAS DA EXALTAÇÃO !! E TAMBÉM NÃO TERIA TANTOS HOMENS COM ENTENDIMENTO ERRADO EM RELAÇÃO DO PAPEL DA MULHER NO EVANGELHO !! INFELIZMENTE EXISTE MUITO MACHISMO AINDA NA IGREJA ,POR FALTA DE CONHECIMENTO ! MAS FIQUEI MUITO FELIZ DE SABER MAIS SOBRE UM ASSUNTO TÃO SAGRADO E MUITO IMPORTANTE PARA NOSSA FÉ !! MUITO OBRIGADA E PARABÉNS


Luiz Botelho

Olá Irmã,

Obrigado por seu comentário. Diversidade de opinião e de conhecimento na Igreja é natural. Precisamos aprender a lidar com os diferentes níveis espirituais de membros na Igreja. Compartilhamos a mesma fé, mas nem sempre o mesmo conhecimento e perspectiva. Continue aprendendo e buscando conhecimento e siga em frente.

Abraço!

reginaldo em 27/04/2015

Que absurdo, não existe nenhuma mãe celestial, não existe essa pré existencia..O senhor Jesus nunca falou sobre isso na Bíblia, única regra de fé para os Cristãos, parem de inventar e voltem-se para o Unico Deus, que não tem Pi nem avô como voces infantilmente acreditam.


Luiz Botelho

Olá Reginaldo,

Respeito sua opinião, mas nós Santos dos Últimos Dias, acreditamos que Deus não parou de falar e revelar seu Evangelho na Bíblia. Cremos em profetas atuais e numa restauração da autoridade do Sacerdócio e fundamentos da Igreja primitiva como profetizado em Atos 3:19-20. Cremos que a unidade familiar é um modelo eterno, que antes de tudo, foi estabelecida e vivida pelo próprio Deus.

Agradeço seu comentário e fique sempre à vontade para compartilhar sua opinião, desde que faça de maneira cortez e sem hostilidade. Abraço!

Gilvan Mendes da Silva em 27/03/2015

Agora minhas convicções são mais forte! Que sentimento extraordinário! Quão grande é ´plano de nosso Deus! Quão próximos estamos de nossa Mãe Celestial! Que doutrina maravilhosa! No grande conselho nos céus, Ela, (nossa Mãe Celestial) e todos nós, (a humanidade) estávamos lá. Que sejamos fortes nesta vida mortal para retornar com honra ao nosso Lar Celestial, onde outrora vivíamos com nossos Pais Celestiais! Como precisamos conhecer melhor a doutrina do Plano de Salvação da Deidade. Grande abraço!

Luana de Sá em 03/02/2015

Sentimento inexplicável em poder saber dessas coisas,em ter pessoas tão empenhadas a nos ajudar compreender melhor algumas Doutrinas...Me emocionei com tudo ,porém essa citação me tocou muito Todos os anos, milhares de Pais e Mães Santos dos Últimos Dias se emocionam ao verem partir em uma missão de tempo integral aqueles mesmos filhos que anos atrás usavam fraldas, engatinhavam, choravam no primeiro dia de aula e cantavam na primária. O orgulho e emoção se misturam à dor da despedida, e o sentimento de que pela primeira vez em suas vidas, não estarão por perto para segurá-los e apoiá-los em seus desafios. Saber aonde o filho estará e quando retornará não necessariamente torna essa despedida mais fácil. Quão mais intenso orgulho provavelmente deve ter sido para nossos Pais Celestiais verem seus valentes filhos \"abandonarem\" o conforto do lar para os desafios terrenos? Quão intensa teria sido a dor de saber que alguns deles jamais retornariam?


Luiz Botelho

Olá Luana,

O Evangelho é maravilhoso. Conhecer um pouco mais sobre o plano expande nossa visão e nos dá a força que precisamos para seguir à diante. Obrigado por seu carinho e apoio. Grande abraço!

vicente barbosa em 02/02/2015

Sinto-me maravilhado em saber que vc fez e vai continuar fazendo um otimo trabalho.esta materia me emocionou muito parabens amigo ,irmao vc é um anjo para nos.tenha muita felicidade.


Luiz Botelho

Olá Vicente, Obrigado pelo carinho. Feliz em saber que as pesquisas e artigos puderam edificar a sua fé. Grande abraço!

Elizir C Rocha em 01/02/2015

Maravilhoso como você coloca todas as informações disponíveis sobre esse sagrado assunto, sou SUD a 55 anos e nunca vi nada escrito dessa maneira, sempre mantive grande e sagrado qualquer coisa que se relacione com nossa Mâe Celestial, mas da maneira como compilou foi excelente. Parabéns.


Luiz Botelho

Olá Elizir,

Se a pesquisa e artigo serviram para expandir seu conhecimento e edificar a sua fé, então cada minuto gasto valeu a pena.

Abraço!

Lucas em 01/02/2015

site muito bom.. Estou maravilhado!


Luiz Botelho

Olá Lucas,

Obrigado pelo Feedback. Fico feliz que os artigos tenham sido úteis de alguma forma. Abraço!

marcele em 01/02/2015

Agora que li toda matéria consegui compreender e ampliar meus conhecimentos em relação nossa mãe Celestial,,..Não há mistérios apenas há um tempo certo p cada um conseguir ser convencido pelo Espirito Santo e tbem n questionar o pq e sim aceitar os mistérios do Senhor para no tempo certo sabermos de tu tido..Parabéns meu irmão orgulho de nossa família pela sua dedicação ao evangelho desde tão novo 15 ou 16 anos????rsrsr te amo sua irmã Má

Tatiane Farias em 15/01/2015

Comecei a leitura dos teus artigos e fiquei fascinada. Espero que continue com esse trabalho tão inspirador. Parabéns


Luiz Botelho

Olá Tati, Obrigado por seu comentário Tatiane! Fico feliz em saber que os artigos tem sido útil de alguma maneira. Grande abraço!

Erika em 23/11/2014

Oi, Luiz. Finalmente sobrou um tempo para eu ler teu artigo com calma. Gostei muito! É exatamente assim que vejo nossa mãe celestial, uma Deusa ativa em todas as etapas do nosso progresso eterno. Ela é, com certeza, uma das pessoas a quem desejo \"correr\" para abraçar quando vir novamente. Oro para estar apta para retornar ao Lar Celestial, quando chegar o momento. Continue nos agraciando com teu lindo trabalho! Erika


Luiz Botelho

Obrigado pelo apoio Erika. Faço de suas palavras as minhas. Grande abraço!

Adriano Canjirana de Jesus em 21/11/2014

Parabéns pelo artigo! Está ótimo!


Luiz Botelho

Obrigado Adriano! Abraço!

Marcele Botelho em 20/11/2014

Como é bom obter conhecimento das coisas num modo geral né???Saber sobre a Mãe Celestial amplia mais meus conhecimentos.Faz entender muitas coisas que parece fome não da minha carne,mas do Espirito de voltar a aprender e se banquetiar das coisas que devemos saber...Obrigada meu irmão por existir em minha vida.Bjo sua Irmã

Bia Mackey em 20/11/2014

Essas informaçoes com certeza podem mudar a visao sobre esse assunto tao polemico e ao mesmo tempo tao sagrado. O artigo esta muito bem elaborado, muito obrigada por publica-lo permitindo assim um enriquecimento pessoal relacionado ao assuntto.


Luiz Botelho

Olá Bia, Obrigado! Concordo que esse é um assunto sagrado e que uma análise cuidadosa é necessária pra não deixarmos tradições falarem mais alto do que conceitos doutrinários oficiais. Abraço!