Como Lidar Com Erros de Profetas e Apóstolos? | Intérprete Nefita
Logo

Como Lidar Com Erros de Profetas e Apóstolos?

Como Lidar Com Erros de Profetas e Apóstolos?

Pergunta:

Como devemos lidar com erros de Profetas e Apóstolos do passado ou presente? Se líderes da Igreja podem cometer erros em suas interpretações, como podemos confiar em suas palavras?
 


Resposta:

Olá,

Esse talvez seja um dos tópicos a serem mais aprimorados em nossa cultura. Parte desse problema surgiu por diversos líderes da Igreja terem no decorrer de seus chamados se pronunciado publicamente e veementemente sobre tópicos que não possuíam revelações oficiais. Outra parte surge de um hábito negativo de nós membros da Igreja, de dar a homens muito mais credibilidade do que deveriam em sua natureza receber. 

Existe apenas uma alternativa no que diz respeito a como lidar com erros de líderes, sejam eles Bispos, líderes locais ou Autoridades Gerais da Igreja: assumir o erro, corrigí-lo e seguir à diante. A verdade sem dúvida deve ser SEMPRE defendida. O Evangelho é a verdade. Nossas interpretações do Evangelho, entretanto, estão sujeitas a erros, e quando o erro é identificado, a perspectiva incorreta deve ser abandonada, não importa quem a tenha defendido. A abordagem tradicional por vezes inclui uma confiança desproporcional no chamado de Apóstolos e Profetas, como se seus títulos eclesiásticos o isentassem da possibilidade de erro. Por outro lado, críticos tendem a demonizá-los ou agirem como se fossem mentirosos e manipuladores intencionais, o que certamente não é o caso.

Seria tolice menosprezar uma vida inteira de serviço e boas obras de líderes da Igreja por em certas ocasiões terem eles compartilhado uma perspectiva que o tempo demonstrou estar errada. Da mesma forma, não é sábio simplesmente presumir que essa mesma vida de boas obras justificam ou anulam a responsabilidade pelo erro. Uma abordagem mais matura do papel dos profetas inicia com o entendimento de que são homens sujeitos a erros. Podemos naturalmente defender o caráter e boa intenção de nossos líderes, jamais os seus erros.

Joseph Smith ensinou que "um profeta só [é] profeta quando [está] atuando como tal".[1] Em outras palavras, nem tudo o que um profeta diz constitui revelação direta de Deus. Profetas não são alienígenas desprovidos de contexto social. Em todas as épocas, homens chamados por Deus trouxeram à Igreja muitas de suas próprias tendências e concepções pessoais do mundo. 

A abordagem correta talvez inicie com o desenvolvimento de uma tendência menor em glorificar homens ou simplesmente defender um lado de uma discussão a todo custo. A verdade deve ser defendida a todo custo. No momento em que algo que pensávamos ser correto é provado falso, o conceito deve ser abandonado. A ciência atual é um excelente exemplo de como esse princípio é eficaz. A religião de certa forma segue, ou deveria seguir esse mesmo padrão.

Ao desenvolvermos uma perspectiva mais realista do papel de líderes gerais da Igreja, obteremos uma maior capacidade de honrá-los por seus bons feitos ao passo que lidamos de maneira positiva com seus erros. Algumas líderes demonizaram, por exemplo, o evolucionismo, enquanto outros abraçaram a causa. Alguns líderes acreditaram no conceito de progresso entre reinos de glória, enquanto outros repudiaram tal perspectiva. Alguns ensinaram que Cristo nasceu no dia 6 de Abril, enquanto outros rejeitaram tal ideia. 

Como ter 100% de certeza de que o ensinamento de um líder geral da Igreja condiz com a realidade absoluta dos fatos? O fato é que não existe realmente real sabedoria em "confiar 100%" em posicionamentos que não constituem revelações oficiais de Deus. Brigham Young ensinou esse princípio de maneira espetacular quando afirmou:

"Eu temo ainda mais que este povo tenha tamanha confiança em seus líderes a ponto de não inquirir ao Senhor por si mesmos, se estão de fato sendo guiados por Ele. Temo que se assentem em um estado de uma cega auto-segurança, confiando seu destino eterno nas mãos de seus líderes com uma confiança imprudente que por si mesma frustraria o propósito de Deus em suas salvações e enfraqueceria aquela influência que poderiam dar a seus líderes, caso soubessem por si mesmos, pela revelação de Jesus, que estão no caminho certo."[2]

O próprio Joseph Smith se referiu sobre o assunto quando declarou:

"(...)A ninguém é requerido submissão cega a um homem por ter ele uma porção do Sacerdócio. Temos ouvido de homens que portam o Sacerdócio, que fariam qualquer coisa que ditas por aqueles que presidem sobre eles – mesmo que soubessem que era errado. Mas obediência tal como esta é pior do que tolice para nós. É escravidão ao extremo. O homem que de bom grado, se degrada não deveria reivindicar um posto entre os seres inteligentes, até que ele abandone sua insensatez(...) Outros, no exercício extremo de sua autoridade onipotente, ensinaram que tal obediência era necessária, e que não importa o que os Santos fossem instruídos a fazer pelos seus presidentes, deveriam fazê-lo sem quaisquer perguntas. Quando os élderes de Israel vão longe ao se engajar nestas noções extremas de obediência a ponto de ensiná-las ao povo, geralmente é porque eles têm, em seus corações, o desejo de fazer o errado eles mesmos.”[3]

Dessa forma, uma abordagem sábia inclui os seguintes pontos:

1. Compreender que Profetas e Apóstolos são homens e podem errar. Erros não devem ser defendidos. Errar é parte de nossa jornada mortal e não há vergonha alguma em admitir um erro, corrigí-lo e seguir à diante.
2. Buscar orientação e confirmação pessoal sobre o que profetas ensinam ou ensinaram. Sermos cuidadosos e prudentes em nosso julgamento ou análise de suas palavras. Em alguns casos eles simplesmente erraram. Em outros casos, acertaram, mesmo quando todas as "evidências" pareciam apontar para outra direção. Em alguns casos talvez o errado seja você.
3. Compreender que o Evangelho deve ser vivido no nível individual. Isso significa que o erro de fulano ou sicrano não deve ser capaz de alterar a realidade das verdades que você já recebeu. O Evangelho não deixou de ser verdadeiro porque Judas traiu Cristo ou David cometeu adultério. A verdade é a verdade. O Erro de homens não muda este fato.

Alguns dos maiores nomes já chamados por Deus se destacam não por terem eles sido "incríveis" e "grandiosos" em sua vida mortal, mas exatamente o contrário.O Senhor não chamou Joseph, um camponês iletrado, por suas habilidades terrenas. Não chamou David para enfrentar Golias por ser ele um lutador notável. Não chamou os dois mil guerreiros de Helamã para o combate por serem eles os melhores soldados do exército Nefita. O Senhor utiliza os fracos e imperfeitos porque é exatamente dessa forma que sua obra e poder podem ser colocadas à prova.

Abraço!

Intérprete Nefita

Referências:

[1] Joseph Smith, History of the Church, vol. 5, p. 265
[2] Brigham Young, (12 January 1862) Journal of Discourses 9:150
[3] "Priesthood," Millennial Star 14/38 (13 November 1852)