Quem é Gazelém, citado em Alma 37:23? | Intérprete Nefita
Logo

Quem é Gazelém, citado em Alma 37:23?

Quem é Gazelém, citado em Alma 37:23?

Pergunta:

Quem é "Gazelém," citado em Alma 37:23?
 


Resposta:

Olá,

As escrituras e palavras de historiadores e profetas modernos dão margem à mais de uma interpretação a respeito da identidade de "Gazelém."

A tradução em Português do versículo em questão afirma:

"E disse o Senhor: Prepararei para meu servo Gazelém uma pedra que brilhará na escuridão como luz, para mostrar ao meu povo que me serve, para mostrar a eles as obras de seus irmãos; sim, suas obras secretas, suas obras de trevas e suas iniquidades e abominações."(Alma 37:23, ênfase adicionada)

A versão a ser analisada neste caso precisa ser a Inglesa, visto que a pontuação da frase dá margem para duas possibilidades. Uma versão traduzida e adaptada da versão existente em Inglês ficaria assim:

"E disse o Senhor: Prepararei para meu servo Gazelém, uma pedra, que brilhará na escuridão como luz, para mostrar ao meu povo que me serve, para mostrar a eles as obras de seus irmãos; sim, suas obras secretas, suas obras de trevas e suas iniquidades e abominações."(Alma 37:23, ênfase adicionada)

A pontuação da versão Inglesa--que foi adicionada posteriormente, mas era inexistente na versão original do livro--dá margem para duas interpretações:

Gazelém como o nome de um servo vs Gazelém como o nome da pedra vidente que brilharia na escuridão.

A interpretação mais tradicional atribui a Joseph Smith o nome Gazelém (possível nome pré-mortal), embora outro candidato seja Mosias, que igualmente utilizou os Intérpretes Nefitas para revelar as obras secretas dos Jareditas. Alguns líderes e historiadores da Igreja sobre o assunto afirmaram:

"Com referência ao nome Gazelem, é interessante notar que Alma ao dirigir Helamã para que preservasse tanto o Urim e Tumim como as placas contendo o Livro de Éter, diz que tal registro será trazido à luz pelo servo do Senhor, Gazelém, que usará uma "pedra" em seu trabalho de tradução. (Alma 37:21-23.) Pode ser que Gazelem seja uma forma escrita variável de Gazelam e que a referência de Alma seja a Joseph Smith, que de fato trouxe ao menos parte do registro de Éter. Ou pode ser que o nome Gazelem seja um título que tem a ver com o poder de traduzir registros antigos e que a referência de Alma se referia a algum profeta Nefita que trouxe à luz o Livro de Éter na era de ouro da história Nefita.[1]

Joseph Fielding Smith e Robert Millet ensinaram:

"'Eu prepararei ao meu servo Gazelém, uma pedra.' Isto pode ser encarado como um jogo de palavras. Seria Gazelém a pedra ou o servo? É difícil afirmar pela passagem e depende amplamente da localização da vírgula na sentença. Talvez se referisse à ambos. É interessante notar que quando Jesus chamou a Simão Pedro para o ministério ele afirmou: Tu és Simão, o filho de Jonas; tu serás chamado Cefas, que é, por interpretação, um vidente ou uma pedra. (JST João 1:42) Apesar deste nome ou título Gazelém ser usado em relação à qualquer vidente que utilize pedras videntes, aparentemente esta ocasião é uma referência direta a Joseph Smith, o Profeta."[2] 

O professor de religião, Daniel H. Ludlow ainda enfatizou:

"Duas palavras interessantes que aparecem pela primeira vez no Livro de Alma são 'Gazelém' (Alma 37:23) e Liahona (Alma 37:38). Significados possíveis destas duas palavras foram dados por Reynolds e Sjodahl, como segue: 'Gazelém é um nome dado a um servo de Deus. A palavra parece ter suas raízes em Gaz-a stone, e Aleim, um nome de Deus como revelador, ou mediador nos assuntos dos homens. Se tal sugestão estiver correta, suas raízes admiravelmente concordam com o aparente significado de vidente."[3] 

Dessa forma, apesar das evidências textuais, históricas e palavras dos profetas não proverem uma posição final a respeito de "Gazelém," a maioria das indicações parecem fortalecer a ideia de que Gazelém seja um nome pessoal aplicado a Joseph Smith, ou à qualquer vidente que utilize os Intérpretes Nefitas no trabalho de tradução.

Abraço,

Intérprete Nefita

Referências

[1] Mormon Doctrine, 2d ed. [1966], p.307)
[2] Doctrinal Commentary on the Book of Mormon, 4 vols.[1991], 3:.278
[3] Daniel H. Ludlow, A Companion to Your Study of the Book of Mormon, p.218