Quem Escreveu os Evangelhos do Novo Testamento? | Intérprete Nefita

Quem Escreveu os Evangelhos do Novo Testamento?


Por Lukas Montenegro 22 de Agosto de 2021
Quem Escreveu os Evangelhos do Novo Testamento?

PERGUNTA:

Apesar de terem seus nomes como título dos evangelhos, ouvi falar que não foram Mateus, Marcos, Lucas e João que escreveram os evangelhos que hoje temos no novo testamento. Isso é verdade? Se sim, quem escreveu os evangelhos?

RESPOSTA:

Esta pergunta de fato parece ter uma responsa óbvia, a final os nomes dos autores parecem estar nos próprios títulos dos evangelhos. Entretando,
uma análise da historiografia da igreja primitiva nos revela bem mais a respeito disso. Em vez de começar na ordem em que
aparecem na bíbilia, iniciemos pela ordem cronológica.

 

1. Evangelho de Marcos

O evangelho de Marcos é o primeiro de que se tem notícia historicamente. É importante salientar que não se possuem cópias preservadas de nenhum dos evangelhos antes do segundo século depois de Cristo. Entretanto, pelo estudo escatológico do  texto, historiadores estimam que tenha sido escrito entre a sexta e a nona década do primeiro século (e portanto pelo ou menos trinta anos depois da ressurreição de Cristo). 

É também consenso dos historiadores, tanto cristãos como seculares, que o evangelho de Marcos não foi sido escrito pelo próprio Marcos, o companheiro de missão de Pedro mencionado no livro de Atos. O primeiro a atribuir que o evangelho teria sido escrito por Marcos foi Papias Hierapolis, um dos patriarcas do cristianismo, o que a maioria dos historiadores  acredita ser somente uma tentativa de atribuir autoriade ao escrito.

A versão mais aceita historicamente é que o livro de Marcos foi escrito por um autor anônimo, utilizando coleções de ensinamentos e milagres previamente existentes. Escrito em grego, seu foco é divulgar a mensagem do novo evangelho, provavelmente para comunidades gregas, o que é evidenciado pela exaltação do caráter e poderes de Jesus, deixando a ideia messiânica de forma bastante sutil. 

 

2. Evangelho de Mateus

O evangelho de Mateus é o segundo a surgir historicamente. Devido à sua estrutura, a maioria dos historiadores e eruditos acredita que surgiu entre o último quarto do primeiro século e a primeira década do segundo século depois de Cristo. Existe uma minoria de historiadores, contudo, que acredita que ele pode ter surgido na verdade antes do evangelho de Marcos, em hebraico e posteriormente traduzido para o grego; com a perda dos manuscritos em hebraico, haveria sobrado então somente as versões gregas, aparentando seu surgimento em uma época posterior.

Assim como no caso de Marcos, o consenso historiográfico é que o evangelho não tenha sido escrita pelo próprio Mateus, um dos doze apóstolos originais de Cristo. Também como no caso de Marcos, a versão mais antiga atribuição à Mateus é feita por Papias Hierapolis e é considerada uma tentativa de atribuir autoridade ao escrito. Oficialmente, sua autoria também é anônima. Imagina-se que foi escrito por um autor da segunda geração de cristãos, provavelmente de uma das comunidades judaicas gregas. 

Como dito anteriormente, até onde se sabe, o evangelho foi escrito em grego. Seu autor utilizou-se de parte do evangelho  de Marcos, bem como de um conjunto de escritos comuns a ele e ao evangelho de Lucas e certo material utilizado somente por este autor. Ao contrário de Marcos, o registro tem intenção clara de mostrar aos judeus como a nova religião cristão não violaria os princípios do judaismo - Jesus é descrito principalmente como o Messias que veio para cumprir todas as profecias do antigo testamento.

 

3. Evangelho de Lucas

O terceiro evangelho a surgir em ordem cronológica é o evangelho de Lucas, entre o no fim do primeiro século para o começo do segundo século - na verdade bem dentro do segundo século depois de Cristo há fortes evidências de que versões do evangelho de Lucas ainda estava sendo revisado. Não existem cópias preservadas dos manuscritos originais do evangelho de Lucas; as versões mais antigas são do começo do terceiro século e possuem consideráveis inconsistências de um para outro.

O primeiro a atribuir a autoria do evangelho à Lucas, companheiro de missão de Paulo, foi Ireaneus, um bispo grego que  viveu no segundo século depois de Cristo. Assim como no caso de Mateus e Marcos, entretanto, o consenso é de que isso tenha sido feito somente para atribuir autoridade ao evangelho. Como evidência nota-se, por exemplo, as inconsistências entre os ensinamentos e pontos de vista das cartas atestadas como escritas por Paulo e os escritos atribuídos a Lucas.

Como os evangelhos até aqui, os manuscritos mais antigos conhecidos são anônimos. Acredita-se que o livro pode ter sido escrito por
um ou até vários autores, com propósito de prover uma versão mais fideldigna, entre as muitas existentes na época, sobre os eventos concernentes à vida de Jesus e de seus primeiros seguidores. Foi escrito a partir do livro de Marcos e incrementado por materiais disponíveis também ao autor de Mateus e únicos ao autor(es) de Lucas. O mesmo autor(es) produziu o livro de Atos dos Apóstolos.

 

4. Evangelho de João

Os três evangelhos até aqui são conhecidos como "sinóticos": são intimamente relacionados entre si, seja por utilizarem elementos um do outro ou materiais de comum acessibilidade aos autores. O evangelho de João é distinto em termos de apresentar uma cronologia diferente dos eventos, bem como eventos e ensinamentos únicos. Foi provavelmente concluído até o começo do segundo século depois de Cristo.

O evangelho de João tem grande conformidade com as três epístolas e o livro de apocalipse, também atriubídas ao apóstolo João. Entretanto, assim como os evangelhos anteriores, manuscritos originais são anônimos. O consenso dos historiadores é que tanto o evangelho quanto as cartas foram compostas por diferentes autores, fortemente associados em termos de cultura e conhecimento - muito provavelmente membros das comunidades joaninas: grupos cristãos de fora da Palestina que davam ênfase principal aos ensinamentos vindos do apóstolo João. O livro foca no caráter divino de Jesus e em sua condescendência em viver e ensinar entre os homens.

 

Conhecer esses detalhes podem não mudar a essência de nosso testemunho, mas certamente são importantes informações sobre as
principais fontes que temos dos ensinamentos do Salvador e seu ministério terreno. Conhecê-las certamente ajudará para que
não sejamos tomados de surpresa ao tentar apresentar o evangelho de Jesus Cristo à outras pessoas.

 

Referências

[1] Telford, William R. (1999). "The Theology of the Gospel of Mark", pg.12;

[2] Burkett, Delbert (2002). "An introduction to the New Testament and the origins of Christianity", pg.174;

[3] Boring, M. Eugene (2012). "An Introduction to the New Testament: History, Literature, Theology", pg.596;

[4] Bruce, F. F. (2003). "The New Testament Documents: Are They Reliable?";

[5]  Ringe, Sharon H. (eds.). "Women's Bible Commentary", pg.381;



COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

© 2022 Intérprete Nefita. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Prudente Empresas